domingo, 19 de dezembro de 2010

FADE - Devanecer (Trilogia Wake #2)

Photobucket


“Coisas perturbadoras estão acontecendo em Fieldridge High, mas ninguém quer falar a respeito. Quando Janie penetra os pensamentos violentos de uma colega de classe, o caso finalmente se torna claro, mas nada sai como o planejado. (...) Pior, Janie descobre a verdade sobre si mesma e sua habilidade. E é desolador. Realmente desolador.”
Fade - Devanecer (Trilogia Wake #2)
LISA MCMANN
236 páginas.
Novo Século, 2010.

 

Começo a resenha informando que é possível que você encontre um spoiler aqui, outro acolá (sempre gostei dessa palavra e estava esperando uma oportunidade para usá-la, é verdade) de Wake, primeiro livro da trilogia escrita por Lisa Mcmann sobre a apanhadora de sonhos Janie Hannagan. Nesse caso, sugiro que você pare de ler meus comentários sobre Fade, segundo livro da série, ou opte por prosseguir por sua conta e risco. Há. Sentiram o meu tom de “Não nos responsabilizamos pelos seus pertences deixados no interior do veículo”, como nas placas de todos os estacionamentos DO MUNDO? Embora, obviamente, a responsabilidade seja deles... Enfim, falávamos sobre Fade, não é?

A estória de Fade é bastante simples: a capitã Fran Komisky suspeita que um professor em Fieldridge High esteja assediando alunas da escola. E agora você, que leu Wake, tem 03 chances para adivinhar quem foi designado para auxiliar nas investigações do caso...É, pois é.  Cabel e Janie, que, sabe-se lá como, têm 17 anos, mas são colocados nas situações mais absurdas como isca pela polícia.
 Capitã Fran Komisky estimulando Janie a aceitar a missão. Em formato de metáfora, claro.

A narrativa em Fade é bastante ágil e não senti que o livro se arrastou em momento algum, ao contrário de Wake. O arco apresentado é muito interessante (eu não consegui largar o livro até terminá-lo) e bem mais policial do que aquele trazido pelo primeiro livro. Confesso que parte do mistério é revelada rápido demais e a outra parte você “meio que já imagina”, mas acho que foi uma opção da autora que não prejudicou o livro. Aqui, ao invés de aguardarmos até o último minuto para saber quem é o “predador sexual” (nomenclatura do próprio livro; por favor, não mate o mensageiro) da escola de Janie e Cabel, temos fortes indícios de quem o seja desde o início, mas o foco da estória fica em descobrir como tal pessoa consegue fazer o que faz (um ótimo exemplo meu do bom uso da língua portuguesa).

A mitologia envolvendo os apanhadores e sonho é mais bem explicada e o livro traz revelações acerca da condição de Janie que eu, sinceramente, não esperava, mas que foram uma grata surpresa. Outra notícia boa é que o número de sonhos alheios sem propósito algum para o desenvolvimento da narrativa diminuiu em relação à Wake. Talvez seja a maneira da autora “mostrar” e não apenas “dizer” (uma sutil diferença que, convenhamos, muitos autores de livros YA NÃO aprenderam) que a protagonista, pouco a pouco, adquiriu maior controle sobre as suas habilidades.

Como nem tudo é perfeito, chegamos à parte que eu mais gosto das resenhas. Desculpem-me, mas eu estaria mentindo se negasse isto. Chegou a hora do: o-que-eu-não-gostei-em-fade. Em primeiro lugar, novamente Lisa Mcmann simplesmente não desenvolve as personagens secundárias, nem um pouquinho, nada, niente. Aliás, li uma resenha bem legal da Lívia, do Lívia Ledier, na qual ela comenta que a autora mostra no livro como Janie e Carrie parecem se distanciar pouco a pouco, o que é um retrato bem fiel de muitas amizades na vida real. Eu concordo, mas me parece que ao fazer isso, a autora também deu um jeito de tirar Carrie de cena para poder se focar só nos protagonistas. O que é uma grande pena!

Aliás, por falar em Janie e Cabel, acho que eles são dependentes demais um do outro. E seria legal vê-los interagir com terceiros de maneira saudável e para fins de mera socialização, sem questões de trabalho e ordens da capitã envolvidas. Ok, não gosto de ambos como casal e não gosto de Cabel at all. Percebi, porém, passeando pela blogosfera que essa opinião não é exatamente “acolhida” por aí, mas é isso que vale a pena nos blogs: pontos de vistas diferentes sobre o mesmo assunto. Com exceção de Crepúsculo, que é uma droga. E não, eu não aceito a sua opinião a respeito, se for diferente da minha. Hehe.

Bem, Fade é bastante superior à Wake e uma ótima leitura de férias, no melhor estilo fast food: rápida e divertida. Não mudou minha vida, não é o melhor livro de todo o universo, mas é bom. Recomendo a leitura e aguardo com ansiedade pelo desfecho da trilogia em Gone.

E fecho com a lição mais importante que Fade me ensinou: cuidado com as almôndegas. 
É sério.
Você nunca mais comerá o sanduíche de almôndegas do Subway da mesma maneira.

Narrativa: 4/5
Desenvolvimento das personagens: 2/5
Fator X: A estória passa a seguir uma linha mais policial, e o faz com êxito. E há também as almôndegas, claro.
Avaliação Geral: 4/5

9 comentários:

book disse...

Eu não li a resenha, ok?? hahahahaaahh ainda não li Wake, mas por via das duvidas se vou mesmo ler ou não, resolvi evitar os seus spoilers! :P
Beijocas!

Clarisse Cunha disse...

Oie Leka??

Não li Wake ainda, por isso não comentei sobre Fade.

Mas minha visita é para dizer que estou add todos os participantes do Amigo Secreto, e vc é uma delas. Estou seguindo seu blog, e vou voltar tanto para ver o que vc ganhou no AS e quem vc tirou, como tbm para continuar uma amizade.

XOXO, da Lisse

Caroline Juliane Bonifácio disse...

Bem, pelo que me parece Fade deve ser MUITO bom ein .. hehe' Já li Wake despertar .. e sem duvidas Fade está em minha listinha de natal... Lembro de ter livro Wake em uma noite apenas... Não gostei TANNTO do livro e estava em duvida se continuaria a série, mas tenho que confessar que a história ficou em minha cabeça ..
adorei a resenha .
Beijos
Carol {SobreUmLivro}

Angélica Roz disse...

Oi Leka!!

Sabe que gostei mais de Wake que de Fade?

Fiquei um pouco desanimada, assim como vc falou, o fato do mistério ter sido revelado logo no início... Tb concordo que os outros personagens poderiam ter sido melhores trabalhados.

Ainda não li o último livro da série, mas está na lista... :)

Bjsss, ótima resenha!!!

Evellyn disse...

Oi Leka...
Eu não li Wake (nem sua resenha) mas está na minha lista. E sabe, pelo que vc comentou aqui Fade parece bem melhor em relação ao primeiro volume né... Sei lá fiquei com medo dessa agilidade toda na narrativa, frases curtas... Eu gosto mais de textos digamos 'elaborados'... Mas de qq forma ainda quero ler pois quero formar minha propria opinião a respeito dessa serie... Alem disso tem uma historia diferente, sobre sonhos que não é nada comum...
Estou começando um blog, depois me visite ok? bjsss

Juliana Lucca disse...

"Com exceção de Crepúsculo, que é uma droga. E não, eu não aceito a sua opinião a respeito, se for diferente da minha. Hehe." ROFLMAO! ou pra simplificar: euri.
Adorei a resenha! E foi prudente essa advertência sobre as almondegas. Segurança em primeiro lugar. Sempre.

aah! E tipo... só pra adiantar: Gone é o pior livro da trilogia! LOL

Kathy disse...

Eu não li a resenha >.< Pretendo ler essa série assim que der, então depois eu comento realmente xD

Beijos
Kathy

Victor disse...

Nao vou tanto assim com a cara dessa série, mas li, está na minha lista mesmo assim. Como você disse na resenha do primeiro livro, ela me lembra o Freddy Krueger kkkkkk Mas, de qualquer forma, a série parece melhorar a partir do segundo livro e, se a autora sabe o que é progressao aritmética, o terceiro deve ser ainda melhor - ou nao. Vou acompanhando suas resenhas e quando nao for mais evitável, eu leio Wake. E, aliás, fiquei curioso com a parte das almondegas huahuahua

Beijos,

Victor

Léka disse...

Sim, povo, dêem uma chance à Wake só para chegar em fade hehe!!

É, ouvi comentários de que Gone não é tão bom quanto o resto da sério (oh, boy...), mas, enfim, vou ler primeiro e opino depois =P

:**,
Léka